quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Prémio do Clube Literário do Porto 2010

No próximo dia 29 de Dezembro, vai ter lugar no Clube Literário do Porto, pelas 21H30, a cerimónia de entrega do Prémio do Clube Literário do Porto 2010 a Vasco Graça Moura, vencedor da 6ª edição deste prémio.
José Pacheco Pereira fará a apresentação do galardoado.

Instituído em 2005, o galardão, com um valor pecuniário de 25.000 euros, foi criado pela Fundação Dr. Luís Araújo.
Esta é a sexta edição do prémio, que nos anos anteriores distinguiu os escritores Mário Cláudio, Armando Baptista Bastos, Miguel Sousa Tavares, António Lobo Antunes e José Rodrigues dos Santos.

O Clube Literário do Porto fica na Rua Nova da Alfândega, nº 22 - Porto

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

(clicar para ampliar)

Biblioteca

Já estão disponíveis online, gratuitamente, no site da Casa Fernando Pessoa, os livros da Biblioteca Particular de Fernando Pessoa.
Deixa assim de ser obrigatória uma deslocação à casa Fernando Pessoa, em Lisboa, para consulta deste riquíssimo acervo.
Será a partir de agora possível consultar, página a página, os cerca de 1140 volumes da biblioteca, mais as anotações (incluindo poemas) que Fernando Pessoa foi fazendo nas páginas dos livros.
Aqui.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Ildásio Tavares (1940-2010)


Morreu ontem, vítima de AVC, o Poeta Ildásio Tavares.
Pertencente à geração da Revista da Bahia, Ildásio publicou o seu primeiro livro, Somente um canto, em 1968. Dominando vários estilos poéticos, tinha uma particular fascinação pelo soneto, de que publicou uma selecção em Portugal (As Flores do Caos, Labirinto, 2008). A sua obra estende-se ainda ao ensaio, à ficção e ao teatro.
Foi também jornalista e académico de reconhecido mérito, tendo leccionado Literatura Portuguesa durante mais de 25 anos.


A minha amada não tem coração -
     ela tem um disquete no lugar
     que a faz nada sentir, tudo pensar,
     mobilizando tanto sua razão
que neutraliza a força da paixão.
     Ela está sempre pronta a deletar
     meu coração que vive a lhe acessar
     e jamais quer salvar a sensação.
Sem ter memória com que me resguarde
     (ela só pensa em formatar a fonte
     e minha fonte é o coração que me arde),
limitei numa tela meu horizonte
     e tudo sinto, sem fazer alarde,
     sem um programa em que meu sol desponte.

(in O prisma das muitas cores - Poesia de Amor Portuguesa e Brasileira, Organização de Victor Oliveira Mateus; Prefácio de António Carlos Cortez, Labirinto, 2010)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Novidades &etc

















O Ano da Morte de José Saramago

Amadeu Baptista
&etc, Setembro de 2010


(...)
A desagregação está a marcar-nos como povo, Nuno,
o povo acabará por resistir,
mas o povo faz coisas iníquas,
pode queimar-nos a casa num espavento de ódios,
pode escolher a sarjeta contra todas as expectativas,
pode acorrentar-se ao jugo da insipiência
e deixar por isso que se fechem escolas às centenas
e que se não trate de dirimir a injustiça de sempre
no campo,
nas cidades,
na pátria,
no planeta,
enquanto a feira dos capões está viva e se recomenda
e os Impérios aproveitam o sono dos vulcões que tanto tardam
a explodir

Pombos, pombas, alcachofras, acelgas, nabos, tomates – de tudo há na feira
de antiguidades,
o mal é esse, não se ter dado baixa nos armazéns dos legumes
de tudo quanto está podre,
continuando o baile a primazia da música alienante,
alienígena,
aqui,
onde todos ralham e todos têm razão
e a morte continua a matar,
por mais que se emocione,
como o Saramago quis,
por mais que deixe de nos escrever cartas de cor violeta,
por mais que escute connosco sonatas para violoncelo
e primavera
por mais que se lancem passarolas no espaço para que a pátria se veja
num arremedo de esperança
– está morto Bartolomeu Lourenço de Gusmão,
está morto o nosso menino de oiro, sumido com o seu balão
no desconforme horizonte do Cabedelo,
está morta a Micas Bombas com os seus prodígios capilares,
está o José Saramago morto,
estamos todos mortos neste infame globo,
quanto mais mortos estivermos melhor nos escravizam

Ah, dancemos, dancemos, ainda, irrevogavelmente,
soltemos uma gargalhada visceral sobre tudo isto,
registemos a infância como padrão do dia em que começamos a esperar,
porque quem espera, desespera,
e em todas as vielas há um anjo que espera

Eu era menino
e o do que melhor me lembro é da viela do Anjo,
onde o mundo é intacto,
se mundo é o que por lá se vê,
os anjos são a única metafísica em que acredito,
comam ou não comam pequenos chocolates,
ajudem, ou não, Caim na heresia benéfica,
tratem, ou não, de contrapor à espada de fogo o fogo dos vaticínios
– os anjos somos nós no espavento de sermos,
isto sei eu que não sou um vencedor,
mas qualquer insignificância é valiosa,
qualquer migalha,
e se alguma transcendência há que seja essa,
a que dos anjos vem,
incorrigíveis
(...)

domingo, 17 de outubro de 2010

Novidades Apenas Livros

O novo livro de cordel da Apenas Livros"O verbo Ser" da autoria de Maria Paula Raposo – será apresentado no sábado, dia 30, às 18 horas, no Café Restaurante Jardim do Lago, na Av. do Lago, Monte Estoril.

O prefácio é de Jorge Castro e a apresentação será feita por ele.
Também serão ditos 2 poemas do livro pelo Jaime Latino Ferreira.

Próximos eventos da editora Temas Originais

Apresentação do livro de Poesia “Sou, e Sinto” de Virgínia do Carmo, no Cultural Centro de Macedo de Cavaleiros, Rua Eng. Moura Pegado, em Macedo de Cavaleiros, no próximo dia 23 de Outubro, pelas 21H00.
Obra e autora serão apresentadas por Mel de Carvalho.


Lançamento do livro de Poesia “Os poemas não se servem frios” de José Ilídio Torres no Auditório da Biblioteca Municipal de Barcelos, Largo Dr. José Novais, em Barcelos, no próximo dia 23 de Outubro, pelas 21H30.
Obra e autor serão apresentados por Manuela Ascensão Correia.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Novidades Cosmorama


Miasmas
João Moita
Cosmorama, 2010








IX

A ferida põe o corpo em perspectiva.
Eu levanto-me triunfal para o crânio do dia
onde mãos divinas remexem
inquinando o culto.
A efemeridade dura.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Corpo Todo de Gonçalo Salvado

(clicar para ampliar)

II Congresso Internacional Fernando Pessoa

A Casa Fernando Pessoa realiza no Teatro Aberto, de 23 a 25 de Novembro, o II Congresso Internacional Fernando Pessoa. A singularidade deste Congresso é a de criar um diálogo entre os especialistas da obra de Pessoa e os criadores que nela se inspiram – poetas, pintores, músicos, cineastas. O ensaísta e músico brasileiro José Miguel Wisnik proferirá a conferência inaugural, às 10h30 do dia 23 de Novembro, e a conferência de encerramento estará a cargo do filósofo José Gil.
Serão homenageados Eduardo Lourenço, José Saramago e Maria Aliete Galhoz. Serão debatidos, entre outros temas, a relação de Pessoa com o Estado Novo, o Ultraísmo espanhol, o modernismo, o teatro, a literatura popular… e as mulheres. Será analisada a proximidade dos universos de Pessoa com os de António Botto, Cesário Verde, Leopardi e Shakespeare.

Participam neste encontro: Anna Klobucka, Antonio Cardiello, António Feijó, Antonio Saéz Delgado, Arnaldo Saraiva, Eduardo Lourenço, Fernando Cabral Martins, Fernando J.B. Martinho, Helder Macedo, Inês Pinto Basto, Ivo Castro, Jerónimo Pizarrro, João Botelho, José Barreto, José Blanco, Luis Gruss, Mar Caldas, Maria Andresen, Maria Bochicchio, Maria do Céu Estibeira, Maria Lúcia dal Farra, Mariana de Castro, Mariano Deidda, Mário Cláudio, Onésimo Teotónio de Almeida, Orietta Abatti, Patricio Ferrari, Perfecto E. Cuadrado, Piero Ceccucci, Pierre Léglise-Costa, Richard Zenith, Rodolfo Alonso, Steffen Dix, Teresa Cristina Cerdeira, Teresa Rita Lopes, Steffen Dix e Zbigniew Kotowiez.
O programa do Congresso inclui ainda a exibição de “Filme do Desassossego” e “Lisboa, meu lar”, dois filmes de João Botelho em torno da obra e da vida de Fernando Pessoa, e a peça de teatro “ Audição com Daisy ao vivo no Odre Marítimo”, pelo Teatro-Estúdio Fontenova.

As inscrições para o Congresso (limitadas a 250, e com condições especiais para estudantes) estão abertas na Casa Fernando Pessoa (Rua Coelho da Rocha, 16) até dia 19 de Novembro. A cada participante será entregue um diploma no final do Congresso.

Preços
Estudantes: 20€
Professores: 30€
Geral: 50€

Ficha de inscrição em: http://casafernandopessoa.cm-lisboa.pt/fileadmin/CASA_FERNANDO_PESSOA/Imagens/noticias/ficha_de_inscricao.pdf

Poemas da água e do fogo

A próxima sessão de poesia no Café Progresso realizar-se-á no dia 14/10 à hora habitual (21,30h) e terá como tema "Poemas da água e do fogo"
Leituras por: Celeste Pereira e Ana Afonso.
Poemas de: Carlos de Oliveira, Al Berto, António Gedeão, Sophia de Mello Breyner, Eugénio de Andrade, Daniel Faria, Herberto Helder, Fiama Hasse Pais Brandão, António Franco Alexandre, António Ramos Rosa, Francisco Bingre, entre outros.
REPUBLIQUEMO-NOS!
Próxima sessão das Noites Com Poemas, que terá lugar no dia 15 de Outubro, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana (Bairro Massapés, em Tires).

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A Poesia e a Liberdade - ciclo de conferências


Organização
Maria do Sameiro Barroso
Colaboração de Teresa Salema
Biblioteca-Museu República e Resistência em colaboração com o Comité dos Escritores na Prisão do PEN Clube Português em colaboração com a Biblioteca-Museu República e Resistência.

Local das sessões
Biblioteca-Museu República e Resistência
Espaço Cidade Universitária
Rua Alberto Sousa, 10 A
Zona B do Rego
1600-002 Lisboa
Tel.: 21 780 27 60
E-mail:
bib.republica@cm-lisboa.pt


Sessões mensais, às 18:30 entre Outubro de 2010 e Dezembro de 2011.

12 de Outubro
Professor Doutor
Manuel Filipe Canaveira
As relações de carácter literário (e republicano) entre Manuel Teixeira Gomes e os poetas Afonso Lopes Vieira e António Botto.

2 de Novembro
Professora Doutora
Helena Barbas
Um surrealista em liberdade,
Mário Cesariny de Vasconcelos.

6 de Dezembro
Dr. José Manuel Mendes,
Presidente da Associação Portuguesa de Escritores
"Poesia" de Manuel Alegre - Alguns Tópicos.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Novo livro de Gonçalo Salvado

O livro de poesia Entre a Vinha de Gonçalo Salvado (Portugália Editora, Lisboa) com prefácio de Fernando Paulouro e desenhos de Rico Sequeira, será lançado no Museu Vinho Bairrada (Anadia), no próximo sábado, dia 25 de Setembro pelas 16H30.
Fará a apresentação Fernando Pauloro.
A obra, (o sexto livro do autor), insere-se numa tradição lírica que tem como modelo o Cântico dos Cânticos e o Rubaiyat de Omar Khayyam, textos sempre presentes na poesia de Gonçalo Salvado.

Acerca de Entre a Vinha escreveu Fernando Paulouro:
“Estamos perante uma obra trabalhada ao gume do pensamento, em que a música das palavras, o ritmo breve ou mais alongado dos versos converge num esplendor que eu, mais do que duplo, diria múltiplo, pela forma encantatória como o poeta realiza a evocação do corpo e se transcende na criação de um “destino solar” único e definitivo. Um canto de amor que se desenvolve em poemas de sentido epigramático, numa epifania poética da mulher que é, na realidade, um “Cântico dos Cânticos”.

domingo, 19 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Antologia Poética
Maria Valupi
Introdução de Carlos Nejar; Organização e prefácio de Ana Marques Gastão; Posfácio de António Osório
Edições Quasi, 2007






Guardar nos olhos graves
A vida desnudada
Sem afugentar
- dos lívidos areais -
Os verdes da miragem.

... este alongar de mãos sobre a paisagem,

E assim ser, como não ser,
Livre ou dementado invento
De confusas, servidoras raízes,
Que, afundadas ou aéreas,
Se comportem como o vento, a rodear,
A retirar do ar o próximo sustento.

sábado, 18 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


a sombra das figuras
Vasco Graça Moura
Edição do Autor, 1985







esgrima, uma simetria

mas no último assalto ele
ajustou o elmo de rede, a luva, e
a precisão felina

dos músculos, sob o olhar
impassível do
mestre de armas francês.

um fio eléctrico pendia-lhe
do fato para o registo dos
acometimentos certeiros.

sentia a coordenação
ágil dos pés, do zunido exímio da arma
e da audácia, até que

resolvido a matar
gritou en garde,
visando o lado direito e

o florete entrou no espelho
e atravessou-lhe o coração, nítido
como um ás de copas.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Extractos do Corpo
Bernard Noël
Tradução de Laura Lourenço e Marc-Ange Graff
Fenda, 1997






praia onde se unem o firme e o movediço

ideia talvez derradeira sob a roda
quando sobe de novo o arco do tempo

ou se racha

praia no além
quando o meu caminho terá bebido a dor

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Entulho
João Miguel Henriques
O Arqueiro Verde, 2010







Biblioteca


em boa verdade a biblioteca
era naquele tempo um refúgio de párias
talvez ainda o seja
faz anos que não a visito

os livros sussurravam frases inteiras
e das estantes mais próximas
era possível escutar os seus desaires

escusado lembrar o pó por todo o lado
e aqueles duzentos, trezentos volumes
da honrosa categoria dos
jamais lidos de cabo a rabo

foi lá que me treinei no choro pequeno
e no querer imenso
de fogueiras gigantes com livros

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Seis poemas para uma morte
Miguel Martins
Fábrica de Letras, 1995







VI


Guardo o brilho baço dos teus olhos
de seres inteiro em cada coisa
o Ritual dos dias conhecidos
e a alegria desentranhada
do fundo da eternidade
que é a bruma de Deus.

Guardo a entrega funda de saber
que a revolta não tem princípio nem fim
e aquela altivez tão especial inapercebida
que pode haver na submissão
de estarmos à frente dos homens e do tempo
viver como quem morre cada dia

e estarmos mortos como quem está vivo.

Noite com Poemas

A próxima edição do Noites Com Poemas terá lugar no dia 17 de Setembro, na Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana (Bairro Massapés - Tires) pelas 21H30.
Convidada: actriz Elisabete Piecho, que lerá poesia de Regina Guimarães.

Prémio Literário Externato de Vila Meã/Editora Labirinto

O Concurso “Prémio Literário Externato de Vila Meã” é instituído pelo Externato de Vila Meã em parceria com a Editora Labirinto. Terá a sua primeira edição no presente ano e será atribuído bienalmente, privilegiando uma categoria literária diversa, ou seja, alternadamente Poesia e Prosa, visando estimular a criação literária e, em especial, o aparecimento de novos autores.
Este ano está a concurso o género literário de Poesia.
São admitidos a concurso, trabalhos inéditos de autores residentes em Portugal, com idade superior a 16 anos, inclusive.
A atribuição do Prémio pressupõe a edição da obra, pelo Externato de Vila Meã, e com a chancela da Editora Labirinto.
O Externato de Vila Meã e a Editora Labirinto darão conhecimento público do autor premiado
durante o mês de Julho, no “Educar Brincando”. Os resultados serão publicados na Comunicação Social e disponibilizados no site do Externato de Vila Meã e em outros sites relacionados com as entidades promotoras do prémio.
A edição da obra será apresentada no primeiro fim-de-semana do mês de Dezembro de 2011, no
âmbito da actividade: “Arte na Escola” a realizar no Externato de Vila Meã.
Os trabalhos a concurso deverão ser enviados, até 15 de Dezembro de 2010, por correio, registado e com aviso de recepção, em envelope fechado com a indicação exterior “Prémio Literário Externato de Vila Meã”, para Externato de Vila Meã – Largo da Feira, n.º 12 – Ataíde – 4605-032 Vila Meã, contando a data do respectivo registo postal.
Cada candidato só pode apresentar uma obra.
São admitidas a concurso exclusivamente obras inéditas em língua portuguesa.
As obras não têm que apresentar obediência a tema.
As imposições técnicas no que toca à apresentação das obras são as seguintes:
a. Ter um mínimo de trinta poemas;
b. Serem apresentadas em texto impresso, em formato A4, paginado e processado a espaço
duplo, letra tipo Areal, tamanho 10;
c. Serem as páginas devidamente agrupadas e agrafadas ou presas por qualquer outro sistema;
d. Serem firmadas por um pseudónimo não conhecido e que o concorrente use pela primeira vez;
e. Conter na capa o título da obra e o pseudónimo do seu autor;
f. Serem entregues cinco exemplares acompanhados por um envelope lacrado que contenha, no
interior, os elementos de identificação do autor (nome, morada, número de telefone e data de
nascimento) e da obra e, no exterior o respectivo pseudónimo;
g. Não constar, nas folhas da obra, qualquer indicação sobre o concorrente, sob pena de este vir a ser excluído.
Para efeito de atribuição do Prémio, será constituído um Júri composto por um representante do
Externato de Vila Meã, um representante da Editora Labirinto e uma personalidade de reconhecida competência nesta área. O representante do Externato de Vila Meã presidirá ao Júri.
Só poderão ser submetidos a concurso textos inéditos, pelo que qualquer indício de plágio será
punível com a desqualificação da obra e, consecutivamente do concorrente.
Os exemplares dos trabalhos não premiados não serão devolvidos, sendo destruídos 30 (trinta)
dias após o anúncio dos resultados.

Novo livro de Gonçalo Salvado

No contexto das comemorações dos 160 anos do nascimento de Guerra Junqueiro, vai ser lançado no Museu Guerra Junqueiro (Porto) dia 18 de Setembro (sábado – 21.30h) o livro de poesia Corpo Todo de Gonçalo Salvado (Editora Labirinto, Fafe) com prefácio do filósofo Alexandre Franco de Sá e fotografias de José Miguel Jacinto.
Nascido em 1967, em Lisboa, Gonçalo Salvado tem vindo a afirmar-se como um poeta exclusivo do amor. Publicou cinco livros de poesia: Quando, A Mar Arte, Coimbra, 1996; Embriaguez, Sirgo, Castelo Branco, 2001; Iridescências, Sirgo, Castelo Branco, 2002, Duplo Esplendor, Afrontamento, Porto, 2008 e, muito recentemente, Entre a Vinha, Portugália Editora, Lisboa, 2010 (obra que será lançada no Museu Vinho Bairrada, em Anadia, dia 25 de Setembro (sábado – 16.30 h) e cuja apresentação estará a cargo de Fernando Paulouro, autor do prefácio).
Acerca de Corpo Todo escreveu Alexandre Franco de Sá:
“Ao invés de expressar o encontro amoroso na abstracção sublimada da sua vivência, ao invés de introduzir uma distância entre o amor e a palavra que o celebra, Corpo Todo oferece-se antes como o próprio arrebatamento do amor tornado palavra”.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

1º Prémio Artefacto para Luís Felício

O júri da 1.ª Edição do Concurso Literário Artefacto - Poesia, constituído por António Carlos Cortez, Ricardo Marques e Paulo Tavares, tendo recebido e analisado 56 obras a concurso, deliberou atribuir o prémio, que, conforme o regulamento, consiste na publicação da obra vencedora, ao original o som a casa, de Luís Felício.
Foi ainda deliberada a atribuição de duas menções honrosas, nomeadamente ao original mandíbula, de João Paulo Coelho, e ao original Palavras Cadentes, de José Melo.
A obra vencedora será publicada até ao final de 2010.

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


A Morte de D. João
Guerra Junqueiro
11ª ed.: Parceria António Maria Pereira, 1924







VITA NUOVA

Os versos que ahi vão, modelo da poesia
Ultra-peninsular,
Encontrei-os, leitor, na velha mercearia
D'um nobre titular.

Entre os rotos papeis que dormem pelas tendas,
Nos crassos mostradores,
Vào perder-se hoje em dia as amorosas lendas
Dos nossos trovadores.

A gente encontra alli a historia dos Othelos,
Versos sentimentaes,
Calculos de agiota e folhas de libellos
E restos de missaes.

Vou muitissima vez ás lojas dos burguezes
Onde ha queijos londrinos,
Para comprar barato os versos portuguezes
E os classicos latinos.

Foi assim que eu achei ha tres ou quatro dias
A preciosa gemma,
Os ternos madrigaes, as infantis poesias
Do heroe do meu poema.

Tenho nas minhas mãos o unico original
Completo e verdadeiro;
O papel é almasso e a lettra é garrafal
Como a d'um bom caixeiro.

De resto, emquanto á graça e merito das trovas,
São coisas de rapaz:
De quando em quando têm certas imagens novas,
Que não são muito más.

Mas no entanto eu queimei, sem licença do auctor,
Poesias de cordel
Feitas no velho estylo, o estylo trovador
de Serpa Pimentel.

Já me tinha esquecido: ha uma nota no fim.
Dos versos manuscriptos;
A lettra é de mulher e a nota diz assim:
«Para embrulhar palitos.»

A nota que fechou com excellente prosa
Esta arte de amar
Explica-nos, leitor, a estante indecorosa
Onde eu a fui achar.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Arzila: Estação de Espuma
Tahar Ben Jelloun
Tradução de Al Berto
Hiena, 1987






As raparigas
de ruiva cabeleira
esperam
a alma velada
lêem no horizonte do mar
por trás do véu branco da ilusão
o limite e os perfumes das areias
recostadas sobre os meandros
azuis do vento norte
pardais
perdem-se em suas cabeleiras
entrançadas de paciência

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


O Núcleo Tenaz
Jorge Viegas
Edições 70, 1982







POEMA FINAL

Não me façam a alma nem sargaço nem estrela.
Mas se a minha alma não for bela
Tomai-a vós.
Atai-a com cinco nós
E não permitais que ela cante.
Somente,
Deixai que a água da chuva caia sobre nós.
Pois que se bebermos dela
É como se fôssemos puros,
É como se fôssemos eleitos.

domingo, 5 de setembro de 2010

"Amo Agora" de Casimiro de Brito e Marina Cedro

Amo Agora (editora 4Águas) – um diálogo erótico bilingue entre o poeta português Casimiro de Brito e a poeta e cantora argentina de tangos Marina Cedro – será apresentado em Portugal
(depois de o ter sido em Barcelona e no festival “Voix Vives” de la Méditérranée) nos seguintes dias e locais:
15 de Setembro, pelas 18 horas, na Casa Fernando Pessoa
(Rua Coelho da Rocha, n.º 16, Lisboa);
15 de Setembro, pelas 22 horas, na Fábrica do Braço de Prata
(Rua da Fábrica do Material de Guerra, n.º 1, Lisboa);
18 de Setembro, pelas 21 horas, no Teatro Municipal de Portimão
(seguindo-se um Concerto da cantora internacional Marina Cedro
sob o título “A Boca e um Leito” (verso de Luiza Neto Jorge).
O livro Amo Agora será apresentado por Maria João Cantinho.

Seguir-se-ão outras apresentações no País Basco, em França e em Itália.
A apresentação do livro terá a configuração de recital com Marina Cedro ao piano, interpretando também alguns dos tangos que a tornaram numa artista internacional.

Madalena Férin (1929-2010)


Morreu, anteontem, em Lisboa, a Poetisa Madalena Férin.
Nascida em Vila Franca do Campo (Ilha de São Miguel), a sua obra, segundo Maria Estela Guedes, «está toda ela vinculada aos Açores, à geografia vulcânica, ao mar, à neblina, às ilhas».
O seu primeiro livro, Poemas, data de 1957, tendo-lhe sido atribuído o Prémio Antero de Quental, que voltaria a receber com O Anjo Fálico, em 1990. Além destes, participou (em 2000, com os poetas Teresa Zilhão, Manuela Nogueira e José Núncio) no livro colectivo Quarteto a Solo e publicou os seguintes livros de poesia: Meia Noite no Mar (1959 - reeditado em 1984); A Cidade Vegetal e outros poemas (1987); Prelúdio para o dia perfeito (1999) e Um Escorpião Coroado de Açucenas (2003). Da sua bibliografia constam ainda dois romances, alguns contos (designadamente para crianças) e ensaios dispersos por várias publicações.
O Presidente da Região Autónoma dos Açores, Carlos César, realçou ontem que Madalena Férin foi «uma lutadora pelos ideais que o 25 de Abril tornou realidade, granjeando, por isso, a admiração de quantos tiveram o privilégio de a conhecer».


Mar de oeste

Eis que do seu dorso despontaram garras!
No vértice onde se embalavam peixes
nasceram asas,
num anseio de pombas
mortas implumes...

Eis que o líquido e o denso se casaram
formando um monstro: rochedo e cavalo,
serpente e águia,
grilheta e asa!
E num barco de papel navego eu!

(in Poemas, 1957)


Eu sou a que vim
através do nevoeiro sem couraça
com veneno nos gestos
indefesos
e com guizos de lata

Eu sou a que trouxe
explodido e retenso um mar de lava
maré-viva de fogo
nos meus dias
sem degelas de prata

Transporto nos meus coldres
toda a fúria
de me rasgar nas espadas afiadas
e uma rosa ardendo
na brancura
de se afogar em nada

(in A cidade Vegetal e outros poemas, 1987)


Circe apaga o meu nome
e o desejo do nome
ser flor ou animal
aroma ou afluente
regressar ou ficar
entre a noite e a morte
a substância de ser ou não
presente

Circe apaga o desejo
de sermos verticais
ela fecha a janela
que dá para o outro lado
transmuda o corpo aberto
em lama que rasteja
em pêlos eriçados
o vestido de bronze

quando as naus regressarem
já não somos humanos

(in Um Escorpião Coroado de Açucenas, 2003)

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Ao fundo da página
António Salvado
Estudos de Castelo Branco, 2007







Do mais alto do monte
onde o tempo se negou a prosseguir
com seu caos de mistério
e de sacralidade
e onde a música das origens
se faz ouvir por fendas
enigmáticas
e onde os pés à terra presos
é como se imponderáveis
balouçassem levitassem –
do mais alto do monte
e na extensão da planície
descortino o paraíso
para o qual descerei.

sábado, 4 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


andanças de pedra e cal
Álamo Oliveira
ELU edições, 2010








a rua mais direita


as casas ofereciam a direcção do mar
detendo a história
com os navios do coração.
era tudo tão certo que não havia
bago de jamaica que não sorrisse
antes de chegar à praça velha.
mais doce que dona amélia
era um naco de poesia molhado
a vinho tinto na lusa.


o que resta desse tempo não é saudade,
é o sabor do teu corpo de alfenim.

o teu olhar ainda cai bonito da varanda.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Saudades de Melo e Castro



E. M. de Melo e Castro, no Brasil há um ano, entrevistado aqui para o programa brasileiro Entrelinhas.

Xavier Zarco premiado no XII concurso literário Manuel Maria Barbosa Du Bocage 2010


O original Dizer do Pó, do Poeta Pedro Manuel Martins Baptista, que usa o pseudónimo literário Xavier Zarco, foi distinguido pelo Júri do XII Concurso Literário Manuel Maria Barbosa du Bocage, na modalidade de Poesia. Este concurso é promovido pela Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão (LASA) desde 1999, tendo atingido este ano cerca de 300 participantes, o maior número de sempre.
O vencedor, já anteriormente galardoado com outros prémios, é natural de Coimbra e publicou, desde a sua estreia em 1998, mais de duas dezenas de obras.
O Prémio, no valor de 2.500 euros, será entregue, em sessão solene a decorrer no Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal, em 15 de Setembro próximo, Dia de Bocage e da Cidade.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Contagem de Estrelas

J. T. Parreira
Núcleo, 1996







UM SALMO PARA OS JUSTOS


Como uma árvore são nascidos junto ao rio,
os justos não perguntam
pelas palavras proibidas, nem assentam
seus olhos ao nível da carne
não invocam com seus lábios
os risos passageiros,
como uma árvore juntam suas raízes
ao caudal do rio,
e tocam nas estrelas que se vêem
à transparência nas águas.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Poesia na Feira do Livro de Gondomar


De 4 a 12 de Setembro terá lugar a 9.ª edição da Feira do Livro de Gondomar, no Largo do Souto, organizada pelo Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Gondomar e a Federação das Colectividades.
Com uma animação cultural permanente, a Feira terá eventos literários todos os dias.

Destaques (Poesia):
5 de Setembro
15H30: Sessão de autógrafos do livro “Momentos...” de Luís Ferreira
11 de Setembro
18H00: Sessão de autógrafos do livro “Ventos do Sul” de Ângela Monforte
12 de Setembro
17H00: Sessão de autógrafos com o poeta Manuel António Pina
17H30: Sessão de autógrafos do livro “Poemas da Mesma Mãe” de António Bastos e Silvestre Bastos
18H30: Sessão de autógrafos do livro “O Choro da Alma” de Paulo Gomes
21H30: Apresentação do Livro “A Evocação do teu Nome” de Albino Santos
22H00: “Declamar Poesia” com Celeste Pereira e Pedro Lopes

Os vossos poemas

Caros etéreos,
Apesar de estarmos em período de férias, a participação no último passatempo foi excelente. Em menos de 24 horas chegaram mais de quarenta poemas.
Como sabem, os primeiros 26 participantes que enviassem poemas com os temas propostos no último desafio receberiam livros.
Assim sendo, receberão os seguintes livros:

"Área Afectada" de Fernando Esteves Pinto
1. Carla Marques (Ermesinde)
2. José M. Silva (Santa Maria da Feira)
3. Mary de Oliveira (Setúbal)
4. Raquel Lacerda (Algés)
5. Nuno Xavier (Braga)
6. João Rasteiro (Coimbra)
7. Fernando Machado Silva (Portimão)




"Espelho Íntimo" de Torquato da Luz
1. Raquel Lacerda (Algés)
2. João Rasteiro (Coimbra)
3. Fernando Machado Silva (Portimão)
4. Mary de Oliveira (Setúbal)
5. Andreia Silva (Vila Nova de Famalicão)
6. Jorge Castro (Carcavelos)
7. Luísa Henriques (Estarreja)
8. Rita Pereira (Famões)



Revista "Sulscrito" n.º 3
1. anothertrickster (Coimbra)
2. Mary de Oliveira (Setúbal)
3. Eduardo Aleixo (Lisboa)
4. João Rasteiro (Coimbra)
5. Fernando Machado Silva (Portimão)
6. Gabriela Rocha Martins (Silves)





"Este pão que nos come!" de Raul Veríssimo
1. Carla Marques (Ermesinde)
2. Luís Pinto (Nazaré)
3. João Rasteiro (Coimbra)
4. Fernando Machado Silva (Portimão)
5. Fa menor







Eis os 26 poemas:

Mote "Escrita"

ESCRITA

despenteia-me as certezas
rouba esta pausa que fiz para pensar
surpreende-se não hoje, mas sempre.
baralha este jogo de cartas viciadas.

vejo a batota que fazes nesse velho truque
nenhuma emoção se repete...só os gestos
que rasgam essa máscara de indiferença
que esconde a face dorida.

vomita na escrita a amargura
dos dias sempre iguais
reinventa nas palavras a emoção
e torna especial este minuto.

Carla Marques
http://www.palavrasemdesalinho.blogspot.com

***

Pombas Brancas

Nas mãos…
duas pombas brancas.
Nos corações…
tramas e trancas!
…Nos corações.

Trancas e teias…
e zumbidos de amor!
Recordações e apneias
de um pretérito sem cor!
…Recordações e apneias.

E agora…
Nesta, feliz lembrança
que finda… afora.
Brilharemos na estrela
que reluz na esperança…
Que lá longe mora
em suma distância!
…Que lá longe mora.

Seguiremos em frente
de bocas amordaçadas.
E diremos que somos gente
de mãos amarradas!
…E diremos que somos gente.

Este poema… é o meu eleito
foi escrito pelo meu coração.
Que sangra, pelo amor guardado no peito
de uma rosa branca que seguro na mão!
…Que sangra, pelo amor guardado no peito.

José M. Silva
http://esquicospoeticos-avlisjota.blogspot.com

***

AS PALAVRAS

Mastigo-te as palavras como quem faz amor,
Sabem-me a orquídias selvagens
Acabadas de florir,
Como se a Primavera inteira fosse a fonte
Que nasce do teu corpo,
E as letras que me amanhecem, gorjeios
De água fresca
A correr dentro de mim!

Mary de Oliveira

***

Escrever é tudo

impulso,
a escrita como um baloiço,
a queda, o erguer,
desmanchar nós, cruzando-os.
A perfeição das palavras contidas, largadas,
que caminham sozinhas pelo texto, nadam no texto, morrem no texto.
Escrever é verbo, verbo é mexer, é parar, é remexer, é anestesiar. Verbo é isso é tudo.
Escrever é tudo, o pensamento no sentimento, o sentimento que pensa. É agir, ainda que na longa lassidão dos dias quietos, apagados e moribundos.
E o que é agir senão o impulso?

Raquel Lacerda
http://www.asinhasdefrango.blogspot.com

***

(para Ana S.)

Se escrevo
é porque busco ainda essa palavra
última irredutível inteira
que possa conter-te:

com ela, incendiaria a cidade
a partir das entranhas até que, no meio
do fogo, teu nome se erguesse
límpido: uma flor
prenhe de ar e sonho erecta sobre
a lenta inutilidade dos dias.

Mas não existe, essa palavra - nem
a minha escassa arte poderá
alguma vez criá-la. Ainda assim,
escrevo: é necessário dizer
que não há palavras que possam transportar
em si o teu rosto
indizível.

Nuno Xavier

***

O extremo exercício da loucura

Escrevo como no princípio
atrás do inóspito silêncio da faísca
curvado para dentro
boca fechada a que se confinam os cicios
apocalíptica e múrmur
em seus desvarios de garrote
e mastiga-se o intrínseco silêncio que corrói
esta triste e acirrada madrugada,

o silêncio circunflexo apaga os nomes
sorvendo a luz das glicínias
até que o poeta é desmascarado
pelo extremo e assombroso vocabulário – sagrado
e profano como se as palavras florissem
seiva e sangue
e rubras filigranas na beleza física de Auschwitz.

Escrevo como no princípio visceral
da explosão vulcânica dos cílios
e escrevo como se a única contrição superlativa
fosse a sílaba muda da água
porque o coração do fogo engole-nos vivos
por infinitas extensões epifânicas – aí cega a boca
na entrega híbrida do dialecto das nuas caligrafias,

agora o primórdio fôlego
surge elíptico no busto das cimitarras da alquimia
e grafará a morte como libérrima cascata
no cristalino silêncio silvestre que engoliu Elias.

João Rasteiro
http://www.nocentrodoarco.blogspot.com

***

poema sentido

escrever poesia e não
saber o que
é o que isso é
e continuar
sabendo que é
só escrita
e procurar
o poema aqui
enquanto a escrita
se faz. dizer no começo
eu sou um homem
o que é pouco o que é
muito dizê-lo e ser
sendo sem nada
para dizer ou escrever
e saber o nome
de tantos outros e outras
homens e mulheres
poetas dizendo
os seus nomes
que tanto já disseram
que tanto já escreveram
e a humanidade
os homens
as mulheres ainda
por salvar ainda
por escrever
como tantas mães
e tantos pais
que já foram
filhos e filhas
e irmãos e irmãs
de tantos mais
que nada disseram
e ainda nada
dizem e escrever
para eles e elas
construir o mundo assim
em silêncio
os carros pelas janelas
da segunda circular
até aqui ao quarto sexto andar
em silêncio
e apenas o raspar da caneta
no papel e os sons do corpo
deste aqui o meu
puxando a pele roendo
à volta das unhas
fazendo planos e promessas
e o poema
dizendo tudo
com o seu sentido
próprio que nada diz
com palavras tão pobres
porque alguma coisa
me escapa sempre
me escapou como
o teu adormecer no sul
agora e os condomínios
à volta e os prédios
de apartamentos vazios
tendo as férias já sido
já foram e Monchique
continua lá
para a esquerda vista
do terraço e nós
ignorando se ficamos
se partimos.
tudo caminha é certo
no mistério e o poema
levanta o sentido cansado
dele e por fim lido
reconhecemos os nossos
rostos o que ligava
pelos afectos os que já
se perderam. vêm
abraços de longe
no esforço de segundos
nas teclas
e esta caneta e mão
terminam o poema
pensando no teu corpo
pelo lado menos virtual
com o cão aos pés da cama.

Fernando Machado Silva
http://donnemoimachance.blogspot.com

***


Mote "Lisboa"


A minha cidade

A minha cidade é feita de janelas
e entre elas
há sempre uma alma dorida
ao som da música da vida
não vivida.

Ela é quente, é fria
e quando arrefece,
a gente toda junta se arrepia
com o fado
cantado em agonia.

Nela
o silêncio vibra,
as estátuas erguidas pelos mortos.
É feita de poetas amantes
e amantes cantores
e todos gritam
roucamente

o elogio
desse amor doente.»

Raquel Lacerda
http://www.asinhasdefrango.blogspot.com

***

O silencioso rio da minha aldeia
A Alberto Caeiro

O Tejo é um rio inseguro
sobre a profusão das águas
vulcânicas
insustentáveis
mas não é um rio imemoriável
revelado
opulento na ferocidade dos líquidos sagrados
sedentos
que correm desvairados o regaço ígneo da minha aldeia.

O Tejo tem barcos de metal sustido no ostentação das trovoadas
despojado da alma das rosáceas
dobrado contra o tempo
que multiplica as órbitas das rotas odoríficas
a velocidade
terrestre dos casulos estranhos de vozes
mapas batendo por dentro
do sangue das cosmogonias das lâminas
que se descobrem rosa no rio que se ignora labareda
no rio que se pertence aberto
às coisas mínimas
primitivas no eco surdo da palavra vulcânica
águas iniciais do rio que incendeia pelos dedos
aplainados
amores da minha aldeia.

Pelo Tejo ascende-se a desarmonia de Lisboa
das vísceras extremes
ausentes
da carne incendiada de lascas
no silêncio que oculta os girassóis – as silhuetas desnudas
que existem além do rio sagrado
da minha aldeia.

Sementes de milagres crus
porque rio
morada única que invade as margens
contra o tempo e a carne
o amor e o sangue
a rosa e o substantivo
e
nas veias que correm o rio da minha aldeia
o corpo
a eternidade
o silêncio
de se estar ao pé – a sílaba fecundando o júbilo do Mondego
que corre inócuo o verbo da minha aldeia.

João Rasteiro
http://www.nocentrodoarco.blogspot.com

***

a memória de um crime

nesse ano quase inteiro
vivendo só na companhia
de dois irmãos, enquanto
tua mãe cuidava dos seus
pais moribundos, um
velho perneta diabético e
uma velha devindo criança,
frequentavas as discussões adolescentes
de política de esquerda e amores
falhados. querias-te poeta, lias
muito e escrevias pouco
e mal, como agora, anos passados,
criança de dextra mão.
blusão da tropa, que ainda tens,
boina trocada por chapéu, projecto
de barba – finalmente concretizado –
percorrias a avenida
de roma e o king
tão cheios de intelectuais
que olhavam o miúdo de lado.
talvez por isso também essas
câmeras de segurança não viram
o movimento nervoso da tua mão
e do livro desalarmado
procurando o teu bolso:
nossa senhora das flores

Fernando Machado Silva
http://donnemoimachance.blogspot.com

***

LISBOA NOSTÁLGICA…

Foi no Metro em “hora de ponta”…
Eram os acordes arrastados e doces de uma concertina…
Num regresso ao passado
Meus olhos marejaram…
E o coração derreteu de ternura!
Era o Homem da Concertina
Arrastava consigo a saudade de uma vida
Angustias de tempos perdidos
A amargura das ausências...
… e o mote,
O mote mudava conforme as lembranças…
Cada acorde era uma lágrima
Cada música uma saudade
E ele tocava, tocava sem parar
O Homem da Concertina!…
E como tocava bem, o impiedoso…
Trouxe-me um sabor amargo-doce!...
Mas eu gostei
Gostei daquela dor…
Dor de saudade bonita
Dor dos Amores que ficaram lá atrás!...
Lembranças de Vida, vivida!
Perdido pelos recantos dessa Lisboa bela
Arrastando consigo as marcas de uma vida
Vai o Homem da Concertina
Nos degraus do Metro…
Na Praça do Rossio…
Pelas ruas do Bairro Alto…
Nas margens do Tejo…
Acordando as Tágides adormecidas…
O Homem da Consertina…
Chorando nostalgia
Pelas ruas da bela Lisboa!

Mary de Oliveira

***

Lisboa

Lisboa
Tens o Tejo a teus pés
E eu tenho a vida
Feita em pedaços de marés!

Lisboa que és nascida
E criada em colinas
Não és nada como eu
Que sou nascida
E criada em emoções felinas!

Lisboa
Tu és capital
És importante
E eu sou o quê?
Não consigo ser como tu
Sou a tal
Pessoa delirante
Entre o bem e o mal
Entre o mesmo e o igual...

Andreia Silva
http://segredos_escondidos.blogs.sapo.pt

***

LISBOA

as colinas
as varinas
oficinas
muros velhos onde urinas
nos apertos da cidade

velhos sótãos
saguões
lamentos e orações
onde moram ilusões
de que se veste a saudade

pátios
átrios
bonifrates
sejam camas
sejam catres
de mil vates cruzam ares
os versos sem ter idade

capital do quinto império
será beijo
Sebastião
personagem de mistério
colinas onde as varinas
vindas das águas do Tejo
lavraram o seu pregão
nalgum painel de azulejo

cidade quase verdade
Lisboa que permanece
junto ao Tejo
e adormece
em ânsias de liberdade

Jorge Castro
http://sete-mares.blogspot.com

***

pousou-me um pássaro sobre os ombros.
trazia cartas do exílio dos poetas
quando Lisboa era cais de luz
e uma pena de utopia
a escrever um tempo marinheiro de futuros.
numa asa breve
na têmpora delirante do vento
levou recados lúcidos do meu olhar nocturno.

Luísa Henriques

***

Gatos de Lisboa

Os gatos de Lisboa
são altos, esguios
bem falantes.
Sabem quase tudo
de história e
um pouco de geografia.

De noite caçam gatas
e de dia companhia
entre o lixo da cidade.
Não são assim tão pardos
como dizem as histórias.

Pelo contrário, andam
engravatadinhos, ar galante e
de quem não parte uma unha.
Se lhes falarem em
sardinhas levantam
altivos os bigodes -
não são desses gatos
farruscos aos pés
das varinas. Têm classe!

Mas mostrem-lhes um
banco de jardim ao sol.
E miau.

Rita Pereira

***


Mote "Sul"


apontar as agulhas ao rosto traçado riscado na pele
do braço franco ao flanco do nome
farto tamanho que tudo abarca até
aos.......................................nós
.......................................dos dedos em riste
marcamos no mapa o nosso ponto
no sul

anothertrickster
http://anothertrickster.blogspot.com

***

A TRANÇA DO SOL, NA BAÍA DO SADO!

Às vezes o silêncio envolvente faz tão bem
... completo, absoluto…
… respirar a natureza solitária, verde, profunda!
Hoje saí com sede do cheiro do rio
e do fascínio desesperante do bailado nervoso das ondas
sempre me desafiar-me!…
Debruço-me… (perigosamente – dizem…)
nas cordas de protecção, eu sei, mas…
hoje é como quem sente a atracção do abismo!…

- Reter na memória o cheiro fresco do rio…
- O valsear dos peixes ali, tão pertinho de mim…
bastava estender a mão…, um afago, num desejo!...
- E os golfinhos!...
Há quanto tempo!...
Cheguei na hora certa, acordaram agora da sesta!
- na minha frente a “ilha”, a (minha) ilha,
meu doce sabor de azuis e verdes (d’outrora…),
onde o mar abraça o rio… e beija a serra!
- E as gaivotas?!...
Hoje não há gaivotas…!!!
Queria tanto mandar-te um recado…!

Abri a mala das saudades e
saltaram-me os verdes limbos dos dedos da serra,
lembrei daquela promessa…,
darmos as mãos e subir,
subir até onde o mundo se recolhe…
ali, só tu e eu, vestidos do manto negro da noite
sob o olhar cúmplice das estrelas!...
vaguear por outras galáxias nas asas dos ventos...
e dos sonhos!...
… Desço das nuvens,
o corpo aflito não sossega, que o sol é uma brasa, hoje!
Eu sei, logo ali as sombras dos arbustos, no jardim!
Vou até lá refrescar-me um pouco na brisa que vem da serra,
ler-te de novo,
que é como quem te retém aqui,
pertinho de mim!...
……………………………………….

Olha p’ra mim…,
estou ainda aqui,
debruçada sobre esta corrente que me leva a ti…,
que o sol vai alto, ainda
e estende-me ciumento os fios dos seus cabelos!
Vou pegar neles, um a um,
entrança-los até onde o seu calor me derreta os dedos de ternura!
Olha…, e não te esqueças da pérola,
o remate que costumo usar
para prender a trança!...

Mary de Oliveira

***

Nocturno de Chopin - variações

Era esta nota, folha diáfana de choupo, arrepiando ao de leve a superfície das águas do rio, que ouvi sibilina na noite cálida de ontem, olhando a lua cheia e a estrela da manhã, já sabendo que o vento não, nem suão, as árvores paradas, como estátuas, noites do sul, do alentejo serrano, nem vivalma, nas portas e poiais,isso era antigamente:
- O astro tá parado, compadre!
- Parece que mexeram as folhas agora...
Vozes nos caminhos perdidos do tempo...
A folha. dizia eu. a nota. com voz de céu. de música, entenda-se. Nocturna. De Chopin. Fez falta ontem neste clima de escorpião, de lacrau, para quem não saiba. Doçura de piano. Vestidos de cetim. Lábios de moça com peitos de regaço. Abraços. Na noite cálida. Chopin fez falta. Ontem à noite. No deserto. Sem tâmaras.

Eduardo Aleixo

***

Arquitectura Revisitada
À Gabriela Rocha Martins

No céu
uma intempérie
como só a intempérie do amor.

Pela arquitectura da carne
a sua cicatriz era a taifa acesa
o inaudível.

Porém para me mostrar a flor
ouso pensar que o fogo de I´timad
apazigua o Sul:

- Não existes
Silves lá no remanso do rio
sem as vestes escravas do sagrado.

Diria que era I´timad
a indivisível luz
e que é o verbo primordial da aurora.

Consigo o desabrochar da sílaba
ciclos do alfabeto do tempo
cativos do alaúde:

- Incandescente, tão incandescente
como a melancolia do sémen
que outrora era lágrima
a chuva de Primavera aberta ao cio
de eternidade em eternidade
como um denso aroma, suave corpo.

João Rasteiro
http://www.nocentrodoarco.blogspot.com

***

casa do Alentejo

à entrada não reconheço nada
tudo é mourisco um princípio
que liga à minha djellaba
mas tenho de subir toda a escadaria
para reconhecer a minha casa.
poderia dizer a nossa
só que ainda não lá vivemos
não ainda embora os planos
já os tenhamos feito
mesmo se surgidos por acaso
sem qualquer vontade expressa
eles estão lá já fechados ao longo do corredor
na sua divisão de quartos.
estou portanto num
alentejo e tu noutro
o teu verdadeiro o meu de empréstimo
e tu desenhas o que chopin te diz
por mãos amigas enquanto eu
escrevo para fazer tempo
como um real alentejano
com vinho e azeitonas
numa sala cheia de azulejos e
pratos na parede com motivos
da nossa terra adoptiva.
escrevo e tu desenhas
e tu escreves e eu rabisco
para voltar de novo à escrita
porque penso assim
nesta distância toco-te
porque ao escrever estás sentada
aqui à minha frente
com os nossos pés a tocarem-se
como na tua ou na minha cama se tocam
e de caneta na mão deslizando
a tinta pelo papel passo a mão
pelo teu corpo que pouco gostas
mas eu não. do que a minha mão
viu na rara luz dos nossos quartos
só me falta o teu gosto
mais fundo de mulher
salgado como estas azeitonas
que levo à boca para enganar
a fome e húmido como este vinho
que me deu coragem e a desvergonha
por agora para te dizer
que a minha língua é curiosa
tanto ou mais que os meus olhos
ou as minhas mãos
quando se passeiam pelo teu corpo
de leoa que aos poucos e poucos
me tem consumido
as noites os sonos e os sonhos
o meu desejo apenas domado
quando o teu encosto encontra
o meu à noite se adormeces.
estás no alentejo e eu nesta casa
em lisboa. tenho um rio
e tu a chave da casa
onde agora gostaria de estar
dizendo ou fazendo
o que digo aqui escrito.

Fernando Machado Silva
http://donnemoimachance.blogspot.com

***

o calor sufoca
tudo se aquieta como se a natureza tivesse feito um pacto de não agressão
há uma suavíssima brisa que tenta transgredir
não lhe é concedido o salvo conduto

magnum mysterium

subscrevem.se os verbos numa continência de acção
nada é permitido além de um degrau de tempo que pretende apresentar.se
para que alguém o mastigue mas
ninguém se atreve a contrariar esse calor liquefeito no sangue
duma velha senhora//mulher
soterrada nos escombros de uma casa senhorial

um dia os vermes hão.de contar a sua história
estilhaçando as vidraças ressequidas e trespassar as águas que
morrem devagar por entre as pedras de um alfabeto lírico

há um silêncio abrupto e
os répteis abocanham.no senhores dum espaço a sul por
que naquele lugar onde outrora havia um poema
hoje restam as ervas presas a
o espectro da mulher//senhora de cujo braço cresce uma foice
pronta a ceifar o daninho como se de uma asa se tratasse en
quanto se tece um ruído vago no rescaldo de lonjuras ou
se busca um novo verbo que à sombra do velho há.de medrar

ousa.se o corpo

gabriela rocha martins
http://cantochao.blogspot.com

***


Mote "Pão"


Pão


come-nos os momentos
na busca incessante de alimento
dor física...múltiplos sofrimentos
amagura...na falta um tormento!

da fome que nos mata
do prazer de um aroma
textura estaladiça que nos ata
ao sabor que nos assoma.

faz-se de momentos únicos
polvilhado do fermento da vida
fruto da terra que nos convida.

na simplicidade de um nome
a complexidade de uma função
hoje e sempre nada somos sem o pão!

Carla Marques
http://www.palavrasemdesalinho.blogspot.com

***

Tabuleiros de Tomar
De beleza sem igual
Olha-os a gente a pensar
Que são pedaços de cor
Arrancados com amor
À terra de Portugal

luís pinto

***

Iniciação

A cidade dobrou-se para o rio
e o seu útero irrompeu
sobre as águas
rosa a rosa
apoiada por bilhas vivas
auríferas
sopro a sopro
prenhes.

Soube-se então que renascia violenta
entre mandíbulas alagadiças
como a inflexibilidade
da borboleta
acerba.

Em agonia precipitaram-se sobre as casas
e coseram-se com a cal
pelo coração irreconhecível da pedra.

Era uma cidade como um sismo
ininterrupto
atada às víboras do milagre
extremo
entre rosas e pão
incandescente e granítico.

A cidade meteu-se toda para dentro
o sexo descoberto
transformada em réptil de hálito branco.

João Rasteiro
http://www.nocentrodoarco.blogspot.com

***

e tu seguras o pão
nas duas mãos posto
como o coração nas nocturnas
preces de ninguém. toma-o
por exemplo e parte,
metade a tua vida, a outra
ao corpo que te partilha
a cama, de novo juntos

no lajedo esquecidas
discussões, migalhas.

Fernando Machado Silva
http://donnemoimachance.blogspot.com

***

Onde está o Pão?

Sem pão e sem amor
Sem sequer uma côdea com bolor
Que lhe caia na mão
Aos tropeções por essa vida
Sem esgar na noite entorpecida
À espera de aquecer o coração
Anda perdida qual mendigo
Muita gente em nosso mundo
Matando o ar em campo nu de trigo
Que já foi seu e que ardeu

Quem lhe roubou o seu pedaço de pão
Quem lhe sacou o coração e o pisou
Fingindo bem-fazer
Dizia que era dia e fez a noite
E continua airosamente a sussurrar
Que o pão dos outros é ateu
Que só quem o tem o mereceu
E que o dia de mais pão há-de chegar

Mas eu grito enquanto a voz não me doer
Enquanto a noite escura estiver
Enquanto eu vir ainda um pouco mais além:
Anda muito ladrão por aí com cara de gente-bem.

Fa menor
http://escritariscada.blogspot.com

***

Obrigada a todos pela entusiasta participção. Obrigada aos autores e editoras pelos livros oferecidos.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Thaumatrope
Alexandre Sarrazola
Averno, 2007







peixe-aranha: patti smith: radio ethiopia

tenho as margaridas do teu vestido de verão; azuis e amarelas
o pêlo de raposa pelos ombros e o chapéu de lã não me enganam
a chuva oblíqua a fugir do outro texto; do texto do outro
"não entres nesse quarto"; a porta sempre fechada.

éramos secos de carnes e tínhamos cortado as mãos.
de rimbaud já só aquela faixa de sombra sobre o lado direito do rosto
a ampola de cloreto etílico pousada no chão de losangos pretos e brancos
o éter aspirado num lenço que se volatilizou como uma ave maligna
"é para a picada de peixe-aranha".

a banheira de esmalte estalada no rebordo
a água fria; os teus gatos que acordavam
o teu vestido de margaridas pousado num banco da casa de banho
e o efeito da ampola como um relampejo letal

a polaroid desse dia já começou a desvanecer-se
e não afoguei ainda a imagem do silêncio
virá comigo com os gestos por fazer
para o fundo do poço de mercúrio

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Passatempo fechado

Caros etéreos,
fechou o passatempo para os 4 motes propostos, pelo que não serão aceites mais participações.
Serão publicados aqui, brevemente, os primeiros 26 poemas que chegaram à nossa caixa de e-mail.

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Instantes, Permanência

Agripina Costa Marques
Pedra Formosa, 1993







Possa a noite ainda ampliar o espaço
em nítida passagem inteligível através
dos signos que em si se disseminam.
Quedar em vigilância face à escrita cifrada
que contêm. Descer na noite ao poço
pleno em que se fundam. Nada se perca.
Tudo conduz à luz onde a voz se enriquece
quanto o olhar atento. Que aberto permaneça.
Recto. Da escuridão ao rigoroso alvor.
Iluminação que alargada seja. Desvelada.
Na noite imensa resplandecem luzeiros.
Seja no claro dia imenso e alto o voo.