quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Entulho
João Miguel Henriques
O Arqueiro Verde, 2010







Biblioteca


em boa verdade a biblioteca
era naquele tempo um refúgio de párias
talvez ainda o seja
faz anos que não a visito

os livros sussurravam frases inteiras
e das estantes mais próximas
era possível escutar os seus desaires

escusado lembrar o pó por todo o lado
e aqueles duzentos, trezentos volumes
da honrosa categoria dos
jamais lidos de cabo a rabo

foi lá que me treinei no choro pequeno
e no querer imenso
de fogueiras gigantes com livros

2 comentários:

nils disse...

Gosto muito do João. Acho que falta um link, ali na coluna da direita, para o seu blogue. Fica o reparo.

REGGINA MOON disse...

Rui,

Que lindo verso!!Adorei!

os livros sussurravam frases inteiras
e das estantes mais próximas
era possível escutar os seus desaires

Tenha um ótimo dia!!

Beijos!!!

Reggina Moon

**Retire o selinho comemorativo de 500 Seguidores do Verso & Prosa!