domingo, 19 de setembro de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Antologia Poética
Maria Valupi
Introdução de Carlos Nejar; Organização e prefácio de Ana Marques Gastão; Posfácio de António Osório
Edições Quasi, 2007






Guardar nos olhos graves
A vida desnudada
Sem afugentar
- dos lívidos areais -
Os verdes da miragem.

... este alongar de mãos sobre a paisagem,

E assim ser, como não ser,
Livre ou dementado invento
De confusas, servidoras raízes,
Que, afundadas ou aéreas,
Se comportem como o vento, a rodear,
A retirar do ar o próximo sustento.

5 comentários:

Multiolhares disse...

Por vezes o melhor mesmo é sonhar um mundo muito nosso onde ninguém nos possa magoar
Bj

Insana disse...

Lindo poema.

bjs
Insana

@lexis disse...

Existisse esse mundo e já eu me teria mudado...

Rosane Marega disse...

Que lindo!
Beijossss

Jaime A. disse...

Um poema lindo, quase "etéreo", com o ar a sustentá-lo.