terça-feira, 7 de abril de 2009

Novidades Caixotim



Odes
António Salvado


O livro Odes, do poeta António Salvado (integrado na nova série «da palavra o fruto» das Edições Caixotim) será apresentado no próximo dia 17 de Abril, pelo poeta Alfredo Pérez Alencart, na Biblioteca Municipal de Castelo Branco e entrará no mercado livreiro a partir dessa data. Esta obra terá apresentações públicas subsequentes, nomeadamente no Fundão, em Lisboa e no Porto.
Com seis reproduções de pinturas inéditas do artista Raul Costa Camelo e apresentação de Paulo Samuel, o mais recente livro de poemas de António Salvado caracteriza-se por uma elevada qualidade gráfica, com as reproduções apresentadas em estampas impressas em quadricromia e com capa revestida num invulgar tecido inglês.

António Forte Salvado nasceu em Castelo Branco, a 20 de Fevereiro de 1936. Licenciado em Letras (Filologia Românica) pela Universidade Clássica de Lisboa, dividiu a sua vida profissional entre o ensino e a museologia. Foi Director-Conservador do Museu Francisco Tavares Proença Jr. (Castelo Branco). Membro da Cátedra de Poética Fray Luís de Léon (Univ. Pontificia de Salamanca). Poeta, ensaísta, antologiador, crítico, tradutor, director de publicações, como Estudos de Castelo Branco (desde 1974), Sirgo (Castelo Branco, 1992-1994), Cadernos de Cultura e Medicina na Beira Interior. Um dos fundadores das Folhas de Poesia (Lisboa, 1957-59). Obteve várias distinções, em Portugal e no estrangeiro. Autor de mais de meia centena de títulos de poesia, tem ainda dispersa e vasta colaboração em antologias, revistas literárias e suplementos de jornais. As suas obras têm sido traduzidas para castelhano, francês, italiano e inglês. António Salvado é um dos maiores nomes da poesia portuguesa contemporânea.

Poesia publicada: A Flor e a Noite, 1955; Recôndito, 1959; Na Margem das Horas, 1960; Narciso, 1961; Difícil Passagem, 1962; Equador Sul, 1963; Anunciação, 1964; Cicatriz, 1965; Jardim do Paço, 1967; Tropos, 1969; Estranha Condição, 1977; Interior à Luz, 1982; ANTOlogia I (selecção de poemas), 1985; Face Atlântica, 1986; Pequena Antologia, 1986; Amada Vida, 1987; Des Codificações, 1987; Matéria de Inquietação, 1988; Soneto em lembrança de João Roiz de Castelo Branco, 1989; Utere Felix, 1990; Nausíaca, 1991; O Prodígio, 1992; AntoLOGIA II (selecção de poemas), 1993; Dis Versos, 1993; O Corpo do Coração, 1994; ANtoloGIa III (selecção de poemas), 1994; Estórias na Arte, 1995; Certificado de Pr esença, 1996; Castalia, 1996; O Gosto de Escrever, 1997; O Extenso Continente, 1998; Rosas de Pesto, 1998; A Plana Luz do Dia, 1999; Os Dias, 2000; Largas Vias, 2000; Quadras (in)populares e Sábios Epigramas, 2001; Flor Álea, 2001; A Dor, 2002; Águas do Sono, 2003; Pausas do Aedo, 2003; A Quinta Raça, 2003; Rochas, 2003; Coisas Marinhas e Terrenas, 2003; Entre Pedras o Verde, 2004; Palavras Perdudas, seguidas de oito encómios, 2004; Se na Alma Houver, 2004; Ravinas, 2004; Malva, 2004; Na Eira da Beira (selecção de poemas), 2005; Quase Pautas, 2005; Recapitulação, 2005; Modulações, 2005; Sinais de Deus na minha poesia (selecção de poemas), 2005; Os Distantes Acenos, 2006; Afloramentos, 2007; No Fundo da Página, 2008; Essa Estória, 2008. Larga parte dos títulos anteriores está reunida e reeditada em: Obra I (1955-1975), 1997; Obra II (1975-1995), 1997; Obra III (1995-1999), 1999.

2 comentários:

filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...

Gran Poeta