sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Parabéns, Amadeu!

O original de poesia «Doze Cantos do Mundo», de Amadeu Baptista, venceu o Prémio Literário Oliva Guerra – Sintra 2008, promovido pela Câmara Municipal de Sintra.
A distinção mereceu a unanimidade do júri, que analisou 83 originais concorrentes.
O júri integrou os escritores Liberto Cruz, em representação da Associação Portuguesa de Críticos Literários, José Correia Tavares, em representação da Associação Portuguesa de Escritores e Ricardo António Alves, em representação da Câmara Municipal de Sintra.
O Prémio Literário Oliva Guerra é anualmente patrocinado pela Câmara Municipal de Sintra e consiste, além da publicação em livro da obra vencedora, no montante de 5.000 euros.
A entrega do prémio ocorrerá em data a anunciar pela autarquia de Sintra.

Amadeu Baptista nasceu no Porto em 1953, onde frequentou a Faculdade de Letras da Universidade daquela cidade.
É membro da Associação Portuguesa de Escritores e do Pen Clube Português.
Tem colaboração dispersa em jornais, revistas, antologias e livros colectivos, em Portugal e no estrangeiro, designadamente: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, E.U.A., Espanha, França, Grã-Bretanha, Itália, México, Roménia e Uruguai.
Poemas seus foram traduzidos para alemão, castelhano, catalão, francês, hebraico, italiano, inglês e romeno.

Publicou os seguintes livros de poesia:
As Passagens Secretas (1982),
Green Man & French Horn (1985),
Maçã (1986) (Prémio José Silvério de Andrade - Foz Côa Cultural, 1985),
Kefiah (1988),
O Sossego da Luz (1989),
Desenho de Luzes (1997),
Arte do Regresso (1999) (Prémio Pedro Mir – Revista Plural, na categoria de Língua Portuguesa, México, 1993),
As Tentações (1999),
A Sombra Iluminada (2000),
A Noite Ismaelita (2000),
A Construção de Nínive (2001),
Paixão (2003) (Prémio Vítor Matos e Sá e Prémio Teixeira de Pascoaes, 2004),
Sal Negro (2003),
O Som do Vermelho - Tríptico Poético sobre pintura de Rogério Ribeiro (2003),
O Claro Interior (2004), (Prémio de Poesia e Ficção de Almada, 2000),
Salmo (2004),
Negrume (2006),
Antecedentes Criminais (Antologia Pessoal 1982-2007) (2007),
Outro Domínios (2008), (Prémio Literário Florbela Espanca, 2007),
O Bosque Cintilante (2008) (Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama 2007),
Sobre as Imagens (2008) (Prémio Internacional de Poesia Palavra Ibérica, 2008)
Poemas de Caravaggio (2008) (Prémio Nacional de Poesia Natércia Freire, 2007)

Recentemente foi galardoado com o Prémio Literário Edmundo Bettencourt – Cidade do Funchal, pelo original "Os Selos da Lituânia" e o Prémio Espiral Maior (Galiza/Espanha), pelo original "Açougue".

2 comentários:

Luís Graça disse...

Parabéns, Amadeu.
O ritmo de prémios ganhos é tal que um gajo nem fica com vontade de dizer mais nada.
Torna-se banal.

Óptimo pretexto para ir até Sintra.

A última vez que lá estive também foi por motivos poéticos: a quinta maratona de poesia, organizada pelo José Fanha.

Belos momentos.

Fernanda Valente disse...

Deixo aqui dois poemas do autor da obra inédita distinguida com o Prémio Literário Oliva Guerra - Sintra 2008:

http://dapoetica.blogspot.com/2008/10/no-sei-o-que-h-entre-dvisnsk-e-nova.html