segunda-feira, 1 de outubro de 2007

E como ficou chato ser moderno


















Terá lugar no próximo dia 6 de Outubro, pelas 16 horas, na Livrododia-Centro Histórico, em Torres Vedras, o livro de poesia
"E como ficou chato ser moderno" (Livrododia Editores) de Luís Filipe Cristóvão, com a presença do autor.
Haverá uma outra apresentação em Lisboa, no dia 12 de Outubro, pelas 21h30, na Book House do Monumental.

Luís Filipe Cristóvão nasceu a 24 de Fevereiro de 1979 em Torres Vedras.
É pós-graduado em Teoria da Literatura, pela Universidade de Lisboa e frequentou a especialização em Edição de Livros na Universidade Católica de Lisboa.
Profissionalmente, é gestor editorial e livreiro.
É autor dos livros Registo de Nascimento (2005) e Pequeña Antología para el Cuerpo (Espanha, 2007).
O blogue do autor pode ser visitado aqui.

2 comentários:

João Filipe Ferreira disse...

ha um link que se calhar vais gostar e se calhar ate podes colaborar e vice versa.

fica em:
http://literaturaemanalise.blogspot.com/
e tb www.luso-poemas.net

:) beijinho

Luís Graça disse...

Lá estive no lançamento. Pretexto para dar um abraço ao autor e encontrar amigos comuns. E foi a primeira vez que estive num lançamento no novo espaço da Book House, onde tenho sido muito bem tratado pelo Carlo.

Comprei o livro uma hora antes e acompanhei a sessão já de livro ao colo.

Notei algumas semelhanças com o registo poético de Couto Viana, na sua atenção ao quotidiano, nomeadamente em "Café de subúrbio".

O Luís Filipe é um homem terno, muito atento ao que o rodeia, aos pequenos pormenores do dia a dia. E sabe adubar as páginas dos livros, semeando as palavras nos sítios certos, numa trincheira literária que oscila entre a prosa poética e o verso branco.

É uma poesia do coração. Como do coração é a escolha da foto da capa, com 7 magníficos familiares. O avô paterno e seis irmãos. Com um risco na foto, feito pelo poeta, ao que diz a lenda.