domingo, 14 de março de 2010

Um livro de poesia a cada dia...
nem sabe o bem que lhe fazia


Uma extensa mancha de sonhos
Graça Pires
Labirinto, 2008








Todos me falam de ti
com palavras ambíguas.
Fui, eu sei, uma suspeita
de luz em teu olhar.
Virados a levante,
os meus cabelos
eram labaredas em teus dedos.
Na hora do combate
me nomeavas,
como se rezasses.
Pinto-a na minha imaginação
como a desejo, tanto na beleza
como na nobreza, disseste.
E vejo a minha expressão
na cor dos teus olhos.
Tão cúmplice, eu,
de tamanho assombro.

1 comentário:

maria manuel disse...

gosto muito da poesia da Graça Pires.