domingo, 8 de fevereiro de 2009

Amor em Faro, Amor em Évora...











As próximas sessões de apresentação da Antologia de Poesia “Os dias do Amor – Um poema para cada dia do ano” vão ter lugar já no próximo sábado:

Faro: Livraria Pátio de Letras (Rua Dr. Cândido Guerreiro, 26-30), 14 de Fevereiro, 17h00m
Apresentação por: Fernando Cabrita
Leitura de poemas por: Álvaro Faria, Luís Vicente, Vítor Correia e Tiago Bensetil

Évora: Bibliocafé Intensidez (Rua Escrivão da Câmara, 10-10A), 14 de Fevereiro, 21h30m
Apresentação por: E. M. de Melo e Castro
Leitura de poemas por Álvaro Faria, Margarida Morgado e Tiago Bensetil

Conto convosco!

2 comentários:

Anónimo disse...

Quero exprimir, neste preciso momento em que acabo de ler o "Prefácio" e a "Nota de Abertura" do livro "Os dias do Amor", o que me foi dado sentir quando abri as primeiras páginas deste trabalho.
Tenho ainda umas lágrimas sentimentais que enevoaram os meus olhos. Limpo-os, portanto, para tornar mais focadas as teclas desta máquina que tenta guardar o meu pensamento desordenado.
O que é ler? Ou melhor! O que é saber ler?
Sempre defendi a "teoria" seguinte: saber ler é estar ao lado do autor, vê-lo manuscrever, admirar a sua caligrafia, os cuidados na pontuação, a procura do apropriado vocábulo; sentir a sua respiração, os momentos em que olha para o seu interior na busca duma claridade espiritual e concordante.
Saber ler é conviver com o escritor, manusear as páginas da sua arte com carinho, como se lhe compusesse o nó duma gravata ou lhe colocasse um colar de diamantes ao pescoço.
Saber ler é saborear as palavras escritas, é saber a diferença entre as pontuações que nos indicam o tempo da leitura de cada verso.
Saber ler é não dobrar um canto de página a sinalizar o local onde deixamos os nossos olhos sôfregos.
Tenho dito repetidamente: escrever, escrever bem, é a arte mais difícil do Mundo.
Respeitemo-la portanto. Todavia tenhamos consciência do que são livros porque há livros...e livros.
Este, "Os dias do Amor" que Inês Ramos dá ao prelo, é uma obra-prima.
Emoldura uma das mais maravilhosas criações da natureza, o AMOR, e a selecção por ela feita (existirão opiniões contrárias que naturalmente se respeitam) é magnifica.
Leia-se o "Prefácio" e "Nota de Abertura"; compreende-se o porquê desta minha afirmação.
Luís Pinto
09.02.09

gabriela rocha martins disse...

obrigada ,Inês ,pelo amor que se leu ,ouviu ,respirou e viveu em Faro

.
.
.

grata pelo encontro gostoso e gratíssima pela possibilidade de rever inesquecíveis Amigos.
até breve



.
um beijo