segunda-feira, 14 de julho de 2008

Poesia de Cohen editada pela Quasi

O mais recente livro de poesia do músico Leonard Cohen, "The book of longing", será editado em Portugal esta semana, com o título "O livro do desejo", na mesma altura em que Cohen actua em Lisboa, após 15 anos sem realizar concertos.
"O livro do desejo" sairá esta semana pela editora Quasi, com tradução de Vasco Gato, reunindo poemas que o cantor escreveu ao longo de 20 anos, acompanhados por ilustrações do próprio Cohen.
Em Portugal estão publicados os livros “Filhos da Neve”, versões de Jorge Sousa Braga e Carlos Tê (Assírio & Alvim), “O Jogo Preferido” (Difel), “Poemas e Canções I” (Relógio d'Água) e “Velhos Vencidos” (Relógio d'Água).
O concerto de Cohen que deverá acontecer no dia 19 de Julho, no Passeio Marítimo, em Lisboa, insere-se numa digressão mundial iniciada no dia 11 no Canadá, a primeira do cantor em 15 anos.

Perturbado esta manhã

Ah. Isso.
Era por isso que eu estava tão perturbado
esta manhã:
o meu desejo voltou
e quero-te novamente.

Estava a ir tão bem,
tinha ultrapassado tudo.
Os rapazes e as raparigas eram lindos
e eu era um velhote que amava toda a gente.

E agora quero-te novamente,
quero a tua absoluta atenção,
a tua roupa interior despida numa pressa
pendurada ainda num dos pés
e mais nada na minha cabeça
a não ser estar dentro
do único lugar
que não
tem dentro
nem fora.

Leonard Cohen

O "Livro do Desejo", o novo volume de poemas de Cohen, aguardado com grande expectativa — demorou vinte anos a ser concluído — na sequência da muito elogiada publicação de 1993, Stranger Music.
Os poemas, nunca antes publicados em forma de livro, foram escritos em Mt. Baldy, bem como em Los Angeles, Montreal e Bombaim.
Com uma concepção de enorme beleza, o livro tem desenhos e ornamentações, divertidos e provocantes, saídos da mão do autor, que vão interagindo de um modo estimulante e inesperado com uma poesia que é intemporal, meditativa, de um humor negro muitas vezes.
O livro contém todos os elementos que conferiram o reconhecimento mundial ao talento artístico de Leonard Cohen para a linguagem.

3 comentários:

Luís Graça disse...

O meu professor de filosofia do Ano Propedêutico é que me falou de Leonard Cohen pela primeira vez.
Só o descobri em 1980. E que descoberta!

Rosa Brava disse...

Um dos cantores que ADORO ouvir... uma voz inconfundível...

Não vou perder este livro, já que o concerto está perdido por "natureza"... ;)))

Bj

Luís Graça disse...

A fazer fé na minha amiga que veio de Viana do Castelo para ver o concerto...aquilo foi mesmo muito bom.