quarta-feira, 4 de junho de 2008

Novidades Quasi

33 POESIAS
Vladimir Maiakovski
Tradução e prefácio de Adolfo Luxúria Canibal
Uma selecção pessoal das poesias de Maiakovski, escritas entre 1912 e 1930.

Suspeita do Avesso
Vicenzo Russo
Um ensaio que propõe traçar sincrónica e diacronicamente as linhas do processo da moderna «barroquização» literária, e nomeadamente poética, em Portugal.

Vou Para Casa
Jorge Reis-Sá
A mais recente publicação poética de Jorge Reis-Sá.

Deste Lado da Morte Ninguém Responde
Pedro Sena-Lino
2.ª Edição
Posfácio de Lídia Jorge

1 comentário:

Adauto A. S. Suannes disse...

Em 1964 instalou-se um regime autoritário no Brasil. Escrevi (e ninguém publicou), algo inspirado em Maiakovski:

BRECHTIANA

Quando me convocaste
eu disse sim
pois o inimigo
estava à porta.

E me reconvocaste
eu disse sim
pois o inimigo
logo estaria à porta.

E outra vez me chamaste
eu disse sim
pois o inimigo
logo poderia vir a estar à porta.

Agora,
quando me convocas
em caráter permanente,
tirando-me o tempo e a paz,
pondo-me a fiscalizar
os meus irmãos,
eu me pergunto:
onde o inimigo?
onde o inimigo?
onde o inimigo?